sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

¨HOJE¨TRADICIONAL FESTA DE S. SEBASTIÃO - DIA 20-1-17 PRAIA DE BARREIRA - MACAU RN




PROGRAMA CONEXÃO 95 - O MAIOR PROGRAMA DE ENTRETENIMENTOS DA REGIÃO

 APRESENTADOR LOCUTOR LEÃO - LOCUTOR ***** 

DE 2ª Á 6ª FEIRA DAS 14 ÁS 17 H .
 COM O LOCUTOR DAS MULTIDÕES ¨LEÃO¨.



A POPULAÇÃO DE MACAU JÁ ESTAVA COM SAUDADES DOS EVENTOS DE MOTO CLUBES.



ACADÊMIA APOLLO - EM ATIVIDADES EM MACAU DE 2ª Á SÁBADO DAS 5H ÀS 22H. RUA TENENTE VICTOR



Ex pároco de Macau Padre Edilson Nobre é nomeado Bispo pelo Papa Francisco

Por Wallacy Atlas

A nunciatura apostólica no Brasil comunicou, na manhã desta quarta-feira (11), a decisão do Papa Francisco em nomear para a vacante diocese de Oeiras (PI) o padre Edilson Soares Nobre, atualmente Vigário Geral da Arquidiocese de Natal (RN).
Monsenhor Edilson foi Pároco da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição de Macau por quase oito anos, onde nesse tempo também foi diretor do Centro de Educação Integrada Monsenhor Honório.
pe-edilson

História

Padre Edilson nasceu em 9 de maio de 1965, em Touros (RN). Ingressou no Seminário de São Pedro em 1984. Cursou Filosofia no Seminário de São Pedro e na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, nos anos de 1985 e 1986. Fez Teologia no Seminário de São Pedro, de 1987 a 1990.
O representante do clero na Comissão Regional de Presbíteros e Coordenador da Pastoral Presbiteral, de 2000 a 2005. Foi vigário episcopal para o Clero, de 2009 a 2011 e também atuou como assistente eclesiástico da Pastoral da Comunicação, de 2008 a 2011.

SOLANGE DO AVIÃO SE FEZ CONHECIDA NO ¨GRUPO SHOW TERRIVEIS-RN¨ ANTES DO AVIÃO E NÃO CITA GRUPO SHOW TERRÍVEIS NO SEU HISTÓRICO, PORQUE ?????????

Conheça um pouco mais a história de Aviões do Forró e suas Músicas:

(SOLANGE AQUI SERIA SUA PASSAGEM PELO GRUPO SHOW TERRIVEIS 1994 Á 2002) NÃO ENTENDI PORQUE NÃO CITOU????
Aviões do Forró em apresentação ao vivo/ Foto: Divulgação Facebook.
Aviões do Forró em apresentação ao vivo/ Foto: Divulgação Facebook.
A banda Aviões do Forró teve seu início de carreira em 2002. Formada por José Alexandre Filho, conhecido por Xand Avião, e Solange Almeida Pereira Barbosa.
Xand nasceu em Itaú (Rio Grande do Norte), morou em Exu (Pernambuco) e começou sua carreira com a banda Estilo Musical. Já Solange, nascida na Bahia, em Alagoinhas, deu início a sua carreira aos 20 anos. Sol, como também é conhecida, já integrou diversas bandas, como Luis Cláudio & Cia (1991/1992), Caciques (1992), Skema (1993), Ogírio Cavalcante (1994) e Doce Mania (1994), entre outras. Em 2002, depois de sair da Caviar com Rapadura, entrou para a Aviões Do Forró.
Em 2002, com 11 anos de carreira, a banda lançou seu primeiro álbum, o Lamparinas Ao Vivo, que vendeu mais de 200 mil cópias. O A Diferença Está No Ar, em 2003, e o A Diferença Está No Ar, em 2005, chegaram a vender 500 mil cópias. Sol e Xand realizaram grandes projetos, como turnês internacionais na Suíça, Holanda e Portugal.
O último DVD lançado de Aviões do Forró, em 2012, em comemoração aos 10 anos da banda, foi gravado em Fortaleza (Ceará) e conta com participações especiais como Dorgival Dantas e Cesar Menotti & Fabiano.

CARNAVAL DE MACAU É VIÁVEL? A CULTURA E A IDENTIDADE DO POVO MACAUENSE.


VAMOS ANALISAR  JUNTOS:


MACAU É CONSIDERADO O MAIOR CARNAVAL DO RN E O 3º DO NORDESTE, COMO PODE DIANTE DA CRISE NACIONAL E LOCAL SE INIBIR  A POSSIBILIDADE E A OPORTUNIDADE DO AQUECIMENTO DA ECONOMIA LOCAL SEM FALAR NO PATRIMÔNIO CULTURAL QUE É O CARNAVAL DE MACAU, PODEMOS CONCORDAR QUE SE ALGUM GESTOR ERROU OU TIROU PROVEITOS DOS EVENTOS, EXISTE MECANISMOS DE PUNIÇÃO E ALGUNS ATÉ JÁ ESTÃO SENDO PUNIDOS, MAIS NÃO PODEMOS POR EM XEQUE A CAPACIDADE E A HONESTIDADE DE UM GESTOR OU DE UMA GESTÃO, ATÉ QUE SE PROVE O CONTRARIO,

Alceu Valença, Margareth Meneses, Monobloco e Moraes Moreira são apenas algumas das atrações do carnaval de Natal neste ano. O anúncio foi feito pelo prefeito Carlos Eduardo Alves que garante o “maior carnaval da história” do município.
O prefeito da capital pretende gastar uma pequena fortuna nesse evento, mas não tem garantias de que a situação financeira do município estará equilibrada. Com salário, fornecedores e serviços atrasados desde o ano passado, tem gente achando estranha tanta animação do prefeito.
RN Mais

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017


Presos de Alcaçuz entram em confronto ÁS 13:30h dessa quinta feira (19); há mortos e feridos e o diretor leva tiro de raspão, diz PM.

Conflito aconteceu após detentos voltarem a ocupar os telhados.
Penitenciária, a maior do RN, foi palco de matança no fim de semana.

Do G1 RN
Presos da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, maior presídio do Rio Grande do Norte, entraram em confronto na manhã desta quinta-feira (19). Após subirem em telhados dos pavilhões, membros de duas facções se enfrentaram. Pedras, barras de ferro e vigas de madeira são arremessadas de um lado a outro. Há mortos e feridos, segundo a PM --uma ambulância socorreu um detento baleado. A Polícia Militar está na área externa da unidade. Do alto das guaritas, policiais fizeram disparos na tentativa de conter a confusão.
Confronto entre presos em Alcaçuz (Foto: Reprodução/TV Globo)Confronto entre presos em Alcaçuz (Foto: Reprodução/TV Globo)

DIRETOR DO PRESIDIO DE ALCAÇUZ BALEADO DE RASPÃO NA CABEÇA


TV Cabugi, está na área externa de Alcaçuz. Ele informa que há fumaça na parte interna, barulhos de tiros e de quebra-quebra no local. Por volta das 11h30 (horário de Brasília) o helicóptero Potiguar I, da secretaria de Segurança Pública do estado, chegou ao local para auxiliar na operação.
Durante o confronto, os presos abandonaram as barricadas que haviam montado para se proteger e foram em direção à facção rival, atirando objetos. Foi possível ver detentos aparentemente feridos sendo transportados em carrinhos de carga.
Por volta das 13h (horário de Brasília), a situação estava mais calma. Os grupos em confronto haviam voltado para as barricadas e telhados dos pavilhões, mas ainda lançavam objetos um contra o outro e trocavam ameaças.
A polícia permanecia na área externa do presídio, onde parentes dos presos buscavam informações. A dona de casa Jéssica de Oliveira, de 26 anos, afirma que o marido lhe contou, pelo telefone, ter sido ferido na perna. "O Estado não pode deixar todo mundo assistir a nossos maridos morrerem desse jeito", disse.
Na quarta-feira (18), 220 membros da facção criminosa Sindicato do RN foram retirados de  Alcaçuz, para evitar o confronto com presos do Primeiro Comando da Capital (PCC) que estão no presídio. Ainda há, entretanto, membros do Sindicato no local, além de detentos que não são ligados a nenhuma facção. No total, há cerca de 1,2 mil detentos em Alcaçuz, quase o dobro da capacidade.
No último fim de semana, presos do PCC invadiram a área onde ficam os integrantes do Sindicato do RN. No confronto, 26 detentos morreram.
Desde a última terça-feira (17), a prisão se tornou um verdadeiro cenário de guerra. As duas facções estão divididas no espaço que liga os pavilhões. Do lado esquerdo, perto do pavilhão 4, estão os integrantes do Sindicato do RN e, do lado direito, os do PCC. Armados com barras de ferro, paus e pedras, eles montaram barricadas com grades, chapas de ferro dos portões, armários e colchões.

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa do Rio Grande do Norte (Sesed) tem mantido contato com lideranças do PCC e do Sindicato do RN para tentar retomar nesta semana o controle da penitenciária.
Os integrantes do PCC ocupam o presídio Rogério Coutinho Madruga, conhecido como pavilhão 5 de Alcaçuz. Dos outros quatro pavilhões de Alcaçuz, três abrigam integrantes do Sindicato do RN, facção criminosa que rivaliza com o PCC pelo comando de unidades prisionais e, principalmente, o tráfico de drogas no Estado.
Inaugurada em 1998 com foco na "humanização", a penitenciária de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte, está sem grades nas celas desde uma rebelião em março de 2015. Com isso, os presos circulam livremente e os agentes penitenciários se limitam a ficar próximos à portaria O complexo, no município de Nísia Floresta, na Grande Natal, tem capacidade para 620 presos (veja como funciona Alcaçuz).
Transferências e onda de violência
Nesta quarta-feira (18), 220 presos ligados à facção Sindicato do RN foram retirados de Alcaçuz e levados para a Penitenciária Estadual de Parnamirim, de onde detentos foram retirados para serem transferidos a outras prisões.
Inicialmente, o governo planejava fazer uma permuta e levar para Alcaçuz 116 detentos sem ligações com facções que estavam Parnamirim. A juíza corregedora responsável pelo presídio, entretanto, impediu. Com isso, esses 116 foram levados para a cadeia pública de Natal. A prisão tem capacidade para acomodar 216 presos, mas com a chegada dos transferidos de Parnamirim passa a abrigar 676.
Segundo a secretaria de Segurança, as transferências são uma estratégia para evitar novos confrontos entre as facções criminosas e uma fuga em massa. Bezerra, o titular da pasta, diz que além da informação sobre os túneis nos pavilhões 1 e 2, o governo soube que os detentos desses locais – ligados ao Sindicato do RN – tinham um plano "bastante avançado" de retaliação contra os presos do pavilhão 5, ligados ao PCC.
Durante as transferências, o estado passou a registrar uma onda de ataques, que se estenderam até a madrugada desta quinta-feira (19). Dezesseis ônibus, dois micro-ônibus, um carro do governo do estado, três carros da secretaria de Saúde de Caicó, duas delegacias e um prédio de uma secretaria de Saúde foram alvos de ataques. Não há informação sobre feridos. Os ataques ocorreram em oito cidades do estado.
Matanças
O Rio Grande do Norte foi o terceiro estado a registrar matanças em presídios deste ano no país. Na virada do ano, 56 presos morreram no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus. Outros oito detentos foram mortos nos dias seguintes no Amazonas: 4 na Unidade Prisional Puraquequara (UPP) e 4 na Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoal. No dia 6, 33 foram mortos na Penitenciária Agrícola Monte Cristo (Pamc), em Roraima.
O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, classifica o massacre em Alcaçuz como "retaliação" ao que ocorreu em Manaus, onde presos supostamente filiados ao PCC foram mortos por integrantes de uma outra facção do Norte do país.
  •  
Comboio para transferência de presos chega a Alcaçuz (Foto: Everton Dantas/NOVO)Comboio policial chega a Alcaçuz para fazer transferência de presos (Foto: Everton Dantas/NOVO)
“Até hoje, nunca tinha havido um confronto dentro dos presídios entre PCC e Sindicato do Crime RN. Virou uma guerra. Começou no Amazonas, isso é uma retaliação. Essa briga não é do RN, é uma retaliação do que aconteceu no Amazonas, é uma vingança ao caso do Amazonas e aconteceu no meu estado, infelizmente”, lamentou o governador.
Presos iniciaram novo motim na Penitenciária de Alcaçuz, no RN, nesta terça (17) (Foto: Frankie Marcone/Futura Press/Estadão Conteúdo)Presos iniciaram novo motim na Penitenciária de Alcaçuz, no RN, nesta terça (17) (Foto: Frankie Marcone/Futura Press/Estadão Conteúdo)
Na quarta-feira (18), o governo federal anunciou que as Forças Armadas vão fazer varreduras nos presídios para retirar celulares e armas, sem lidar diretamente com os presos. Amazonas, Rio Grande do Norte e Roraima já solicitaram o apoio.
Segundo o governo federal, as Forças Armadas irão entrar nos presídios para fazer inspeções de rotina e buscar materiais proibidos. A ida de militares para os estados dependerá do aval dos governadores.
“Haverá inspeções rotineiras dos presídios com vistas à detecção e à apreensão de materiais proibidos naquelas instalações. Essa operação visa a restaurar a normalidade e os padrões básicos de segurança dos estabelecimentos carcerários brasileiros”, disse o porta-voz da presidência, Alexandre Parola.
Rebelião
Segundo o secretário de Justiça e Cidadania (Sejuc), Wallber Virgolino, a rebelião em Alcaçuz começou na tarde do sábado (13) logo após o horário de visita. O secretário disse que os presos do pavilhão 5, que abriga integrantes do PCC, usando armas brancas, quebraram parte de um muro e invadiram o pavilhão 4, onde há presos que integram o Sindicato RN.
Na segunda-feira, os presos amanheceram em cima dos telhados dos pavilhões com paus, pedras e facas nas mãos, além de bandeiras com as siglas de facções criminosas. A Sejuc nega que a rebelião tenha sido retomada. Por volta das 11h50 a Polícia Militar entrou na área dos pavilhões e os detentos desceram dos telhados.
Na terça (17) os presos voltaram a se rebelar. A Polícia Militar usou bombas de efeito moral e armas com munição não letal para conter os detentos. Eles seguem soltos dentro da unidade prisional, mas não há confronto entre as duas facções.
Além dos 26 mortos, o governo do estado confirmou que existe a suspeita de que haja mais corpos dentro da unidade e que o Corpo de Bo